15 setembro 2021

Sepse apresenta sintomas que se confundem com os de outras enfermidades

 

Conhecida popularmente por septicemia, a sepse acomete mais pessoas fora do que dentro do ambiente hospitalar, mostra levantamento internacional

Muitas pessoas já ouviram que a causa da morte de alguém foi uma infecção generalizada, popularmente conhecida por septicemia, porém o termo é inapropriado. O nome correto, na verdade, é sepse, e o que a imensa maioria das pessoas não sabe é que, embora seja mais conhecida como evento adverso que ocorre dentro dos hospitais, ela acomete as pessoas mais fora do que dentro do ambiente hospitalar.

Levantamento do Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos constatou que 8 em cada 10 casos de sepse começam fora do hospital.

Considerada uma emergência médica, a sepse apresenta sintomas que se confundem com os de outras enfermidades, por isso, nem sempre é diagnosticada em tempo de ser contida, o que pode levar à falência de órgãos e morte.

Isto porque a sepse é o conjunto de manifestações clínicas e laboratoriais resultantes do acometimento de órgãos e/ou sistemas pela ação direta de patógenos como, por exemplo, bactérias e fungos, ou ainda pela ação de componentes da resposta imuno-inflamatória estabelecida pelo organismo para combatê-los.

O Dia Mundial da Sepse, nesta segunda-feira (13 de setembro), foi, portanto, uma oportunidade para as pessoas conhecerem mais esta doença, responsável por pelo menos 11 milhões de mortes no mundo.

A sepse não é a infecção que está em todos os locais do organismo, assim, não é correto conceituá-la como infecção generalizada. “Por vezes, a infecção pode estar localizada em apenas um órgão, como por exemplo, o pulmão, mas provoca em todo o organismo uma resposta com inflamação numa tentativa de combater o agente da infecção. Essa inflamação pode vir a comprometer o funcionamento de vários órgãos do paciente. Esse quadro é conhecido como disfunção ou falência de múltiplos órgãos”, explica a médica infectologista Célia Franco, do Austa Hospital.

Ao contrário do que muitas pessoas pensam, hospitais e instituições de saúde são justamente os locais onde menos ocorrem os casos de sepse porque contam com equipes multiprofissionais e unidades especializadas na prevenção e combate a esta infecção.

Uma das maiores instituições de saúde da região, o Austa Hospital possui protocolo para identificação e tratamento oportunos de sepse, um dos muitos protocolos que visam garantir a execução de ações iniciais fundamentais para o sucesso dos tratamentos e a qualidade e segurança na assistência aos pacientes. “A elaboração, a revisão sistemática, os treinamentos de profissionais e o monitoramento das práticas previstas são desenvolvidos por equipe composta por médicos e enfermeiros com atuação na Emergência, Terapia Intensiva, Comissão de Controle da Infecção Hospitalar (CCIH) e Setor da Qualidade, além de farmacêuticos e profissionais do laboratório de Microbiologia”, explica dra. Célia.

Não importa o local, a sepse tem como seus principais alvos os prematuros, crianças abaixo de um ano, idosos acima de 65 anos, pacientes com câncer, aids ou que fizeram uso de quimioterapia ou outros medicamentos que afetam o sistema imunológico. Pacientes com doenças crônicas, como insuficiências cardíaca e renal, diabetes, usuários de álcool e drogas e pacientes hospitalizados que utilizam antibióticos, cateteres ou sondas também estão mais propensos a tê-la.

Qualquer tipo de infecção, leve ou grave, pode evoluir para sepse. As mais comuns são pneumonia, infecções abdominais e infecções urinárias. Por isso, quanto menor o tempo com a infecção, menor a chance de surgimento da sepse.

“As primeiras horas de tratamento são as mais importantes. Os pacientes devem receber antibioticoterapia adequada o mais rápido possível. Culturas de sangue, bem como outras culturas de locais sob suspeita de infecção, devem ser colhidas para buscarmos detectar o agente causador. A sepse é uma emergência médica e seu tratamento deve ser priorizado”, ressalta a infectologista do Austa Hospital.

0 comentários:

‹‹ Postagem mais recente Postagem mais antiga ››