13 abril 2021

14 de abril: Dia Mundial do Café, o "ouro preto", símbolo da riqueza que inspirou artistas

 

 

Café, considerado como o "ouro preto", foi símbolo da riqueza do Brasil

Quatorze de abril é comemorado o Dia Mundial do Café. O café é um brinde que acompanha todas as manhãs a vida dos brasileiros. O café, conhecido como o “ouro preto”, serviu de fonte de inspiração para e inúmeras canções e até para batizar cidades no interior paulista e norte do Paraná, no começo do Século 19.

 O Brasil é o maior produtor da bebida e o segundo maior consumidor do mundo. Só perde para a Finlândia, país europeu onde cada habitante consume 12 quilos da bebida por ano.

 O produto faz parte da rotina e da história de milhões de brasileiros. Está presente na primeira refeição do dia, durante o horário de trabalho ou até em eventos especiais nos fins de semana.

 “A pessoas não conseguem entender porque elas tomam café, mas elas tomam todos os dias”, diz Victor Átila, barista que é dono de uma cafeteria em Brasília. Barista é o profissional especializado em avaliar a qualidade dos cafés.

 A nutricionista Valéria Paschoal explica que os efeitos do café na saúde são diferentes em cada pessoa. “Há pessoas que tomam o café em pequenas quantidades e não tem nenhum problema. Outras têm impacto na saúde, como maior hiperatividade, dificuldade de ter relaxamento, mas é coisa individual”, comenta a nutricionista.  

 Segundo ela, em termos gerais, estudos mostram que até 360 miligramas, o que equivalente a seis xicaras de cafezinho por dia, não tem consequência nenhuma na saúde. “Há estudos mostrando que, para crianças tomar café pela manhã, pode ter benefícios na atividade cognitiva”.

 Outras pesquisas demonstram que o cafestol, o fotoquímico presente no café, tem atividade antioxidante na prevenção de várias doenças. A cafeína, nas quantidades certas, evita a depressão e o mau humor.

História

Alguns historiadores afirmam que a origem do café é a Etiópia, outros a Turquia ou Pérsia. O fato é que foi descoberto por acaso. Segundo a lenda, um criador de ovelhas, vendo que os animais ficavam mais espertos quando comiam aquela frutinha vermelha resolveu experimentar. E pronto. Descobriu sem querer essa maravilhosa bebida.

A planta do café é alvo de curiosidade dos estrangeiros que vem ao Brasil. Todos querem conhecer as plantações de café, já que em seus países não existe


 Paixão nacional, símbolo de riqueza e desenvolvimento no Brasil, o café chegou por aqui de uma forma, digamos, extra oficial. Foi contrabandeado das Guianas Francesas.

 Por volta de 1727, o sargento-mor Francisco de Melo Palheta recebeu a “missão secreta” do então governador do Pará, João da Maia Gama, para trazer, escondido em sua bagagem, algumas sementes que deram origem as primeiras mudas da planta em solo brasileiro.  

 Café nas artes

O café já foi retratado em verso e prosa em diversas músicas


 O café, faz literalmente, o mundo funcionar. A bebida, além de ter ajudado a acelerar o desenvolvimento econômico do Brasil e de muitos outros países, foi o combustível necessário para manter os criativos artistas inspirados, sejam eles da pintura, da literatura, do cinema, e claro, da música.

 A Folha do Povo, numa rápida pesquisa por diversos sites, conseguiu localizar 55 músicas que tem como título a palavra café. Desde a celebre canção “Meu Cafezal em Flor”, de Luz Carlos Paraná, composta nos anos 50 e gravada por Dino Franco Inezita Barroso e pela dupla Cascatinha & Inhana, até vários sucessos de Roberto Carlos, Vinicius de Moraes e compositores mais recentes.

 Vinicius de Moraes compôs na era da bossa nova o “Samba do Café”. Roberto Carlos em 1978 a famosa romântica “Café Manhã”, dedicada em versos e prosa para os casais enamorados. Nana Caymmi compôs “Café com Pão”, Clemilda “Borra de Café”, Jorge Bem “Café Preto”, Supla “Cafezinho”, a banda de rock lançou em 2012 a música “Café em Sol Maior”, em 2013 Martinho da Vila gravou “Café com Leite” e assim tem várias músicas falando dessa paixão nacional. Até Frank Sinatra e Bo Marley gravaram, respectivamente, nos anos 60, “The Coffe Song” (A Canção do Café) e “One Cup Off Coffee” (Uma xícara de café).

 Nome e apelido

A figura de Café Filho, ex-presidente do Brasil, era para ter sido estampada nas notas de 50 reais, foi substituída pela onça pintada


 De acordo com o Instituto Geneológico existem atualmente no mundo 52 famílias, espalhadas principalmente pelo Brasil, Argentina, Alemanha e Dinamarca, que carregam o sobrenome Café. Só no Brasil são 17 famílias que possuem o sobrenome Café. O filho mais ilustre dessa família foi o potiguar João Fernandes Campos Café Filho, que foi vice-presidente da República e depois substituiu Getúlio Vargas no poder quando esse se suicidou.

 O engenheiro agrônomo Celso Eduardo Mendes Parra carregou, durante os tempos de faculdade em Paraguaçu Paulista, o apelido de "Café", devido ao fato de ter nascido na cidade paulista de Cafelândia. "Na época quase toda a turma da faculdade me conhecia pelo apelido", lembra. A grande Cafelândia no começo do século 19 abrigava como seus distritos as cidades de Lins e Marília.

Cidade de Cafelândia, terra natal do engenheiro agrônomo Celso Mendes Parra, que por isso carregou o apelido de Café nos tempos de faculdades


2 comentários:

‹‹ Postagem mais recente Postagem mais antiga ››