17 março 2021

Após se conhecerem pela internet e namorar, por 15 anos à distância, casal casa em Rio Preto

Cerimônia realizada no cartório em Rio Preto sela namoro de 15 anos à distância


Não é novidade que a tecnologia possibilita que pessoas de diversos lugares do mundo se relacionem. A distância de mais de 700 quilômetros não foi empecilho para que o servidor público Alexandre José Tabarini Schiavinatto e a agente de viagens Simone Souza se conhecessem, começassem a namorar e se casassem.

O amor quase platônico entre os dois durou quase 15 anos. Ela morando em Brasília e ele em São José do Rio Preto. Depois de quase um ano trocando mensagens pela internet os dois marcaram um encontro no aeroporto internacional de Brasília, durante escala de uma viagem feito por Schiavinatto à Porto Velho, em Rondônia. 

Os dois se conheceram pessoalmente, no dia 18 de julho de 2006, e foi amor à primeira vista, pois antes só conversavam sobre futebol, Fórmula 1 e outros assuntos. Nunca haviam atentado a possibilidade de algo mais entre eles, que não fosse amizade. Eles tinham se visto, até então, apenas por meio de fotografias, já que por volta de 2005 os aplicativos da internet não eram tão populares e ainda não existia essa possibilidade de fazer vídeos pelo celular.

Os dois continuaram conversando por e-mail e telefone por vários meses. Ela se mudou de Brasília para Bento Gonçalves, no Rio Grande do Sul. A distância ficou ainda maior. Mais de 1.200 quilômetros de lonjura. E ficaram cinco anos sem se encontrarem pessoalmente. Mas o amor entre os dois nunca se perdeu. Pelo contrário se intensificou com a distância e o tempo. 

Simone veio à Rio Preto, conheceu a família, os amigos do servidor público e as suas imensas atividades exercidas, principalmente no campo filantrópico. Se apaixonou ainda mais quando o viu cantando pela primeira vez na missa da Igreja São Pedro e São Paulo.

Filho único, Schivanatto cuidou até os últimos momentos de sua mãe Ivanir, falecida no ano passado. “Uma das muitas boas coisas que minha mãe me ensinou foi a ter gosto por viajar, sobretudo cruzeiros”, lembra, acrescentando que a solidão apertou. Foi então que resolveu fazer a proposta de casamento para Simone. Proposta aceita, Simone arrumou as malas e veio para Rio Preto para encontrar com o grande amor de sua vida. Os dois se casaram, no último dia 13, no cartório de registro civil de São José do Rio Preto para uma vida a dois juntos.

Schin, como é tratado pelos amigos, adianta que ele e agora esposa se combinam praticamente em quase tudo. Ela gosta de viagens e passeios como ele, do mesmo estilo de música...combinam em vários aspectos.  Somente discutem quando o assunto é futebol. Ela é torcedora do Flamengo e ele Corinthiano.

A cerimônia no cartório, por causa das restrições do coronavírus, foi bastante restrita. Apenas alguns familiares e número restrito de amigos puderam participar. O engenheiro Ubirajara Silveira Garcia, colega de trabalho de Schin, junto com a esposa Divina representou todos os colegas de trabalho e amigos na cerimônia. Todos usavam máscaras, inclusive os noivos e o juiz de paz. Tomaram todos os cuidados com o distanciamento. Com exceção do tradicional beijo entre os noivos não houve mais qualquer tipo de abraços afetivos entre aqueles que participaram da cerimônia.

Casal Simone e Alexandre celebram com uma taça de champanhe a união dos dois

A união em cartório foi presenciada de perto pela irmã de dona Ivanir, mãe de Alexandre Schiavinatto, falecida no final do ano passado

Alexandre assina, na frente do juiz de paz, o documento que sela sua união matrimonial com Simone 

O par de alianças e a certidão de casamento: objetos que sinalizam a união de Simone e Alexandre após 15 anos de namoro à distância

Os noivos mostram as mãos, após trocarem as alianças


.  


0 comentários:

‹‹ Postagem mais recente Postagem mais antiga ››