07 maio 2020

Folha do Povo dá dicas para não cair em fakes news


 
Todo cuidado é pouco para acreditar em tudo que você vê e recebe pelas redes sociais na internet
Não é de hoje que existem vários boatos circulando pela sociedade. Com os últimos acontecimentos políticos no Brasil e no mundo esse problema tem se tornado cada vez mais sério. E as chamadas fakes News (notícias falsas) tem sido espalhada e impulsionadas por pessoas públicas como Carlos Bolsonaro e a deputada Carla Zambelli, do PSL, e até por audaciosos esquemas de robôs virtuais.

Esse tipo de informação falsa pode ser muito perigosa, principalmente em períodos importantes, como a eleição ou em épocas de pandemia. É extremamente importante verificar os conteúdos que se reproduzem, sem qualquer critério por aí.

Para fugir das fake News e não colocar também seu nome e reputação em dúvida perante as demais pessoas, confira algumas dicas que a Folha do Povo preparou para saber como conferir se uma notícia é verdadeira ou não:

Verifique se a mensagem foi encaminhada

Pelo WhatsApp uma das formas de identificar correntes de notícias mentirosas é ver se o conteúdo foi encaminhado de outra pessoa, e não originalmente escrito pelo contato com quem você está falando.

É possível identificar isso, se prestar atenção, ao observar logo em cima da mensagem o indicador “Encaminhada” (a palavra está digitada de forma inclinada), antecedida por uma seta (➜), que sinaliza que ela está sendo replicada pela pessoa que te enviou. Esse sinal já é motivo para ficar em alerta quanto ao conteúdo da mensagem.

Não confunda notícia como opinião

Qualquer um pode falar o que quiser na internet e isso é bom, mas também pode confundir. Às vezes, alguém está simplesmente dizendo o que ela pensa e quem recebe toma isso como verdade. Nessas horas é preciso redobrar os cuidados com mensagens fraudulentas.
  
Não acredite em textos, áudios e vídeos de pessoas desconhecidas ou que simplesmente você nem sabe quem é porque não se identifica. A tática de quem deseja passar uma mentira é se esconder no anonimato ou usar o artifício de “bater no gato com a mão do outro”. Ou seja: usa qualquer outra pessoa para dizer aquilo que ela, por saber que é mentira, não tem coragem de dizer.

É preciso saber interpretar tudo aquilo que recebe e prestar atenção para não cair em essas armadilhas. Não seja uma pessoa ingênua em absorver o que recebe, sem fazer uma interpretação correta do real objetivo da mensagem recebida. A maioria das vezes é para denegrir a reputação de autoridades e de adversários políticos ou concorrentes comerciais.
  
Confira a fonte

Caso você receba um áudio, vídeo ou texto com dados inacreditáveis ou alarmantes, tome cuidado. Antes de apressadamente apertar seu dedinho na seta para encaminhar para outras pessoas, na ânsia de querer ser a primeira pessoa a disparar a informação para o grupo de amigos e familiares, confira, cheque e recheque a informação para saber é realmente é verdade.

Ao passar informação falsa para frente seu nome também fica em descrédito perante seus amigos, familiares e demais pessoas dos grupos.

Confirme a informação recebida em fontes confiáveis, como em jornais, emissoras de rádio e tvs, que confirmem ou não a mensagem recebida.

Veja se saiu em mais lugares

Uma boa forma de saber a veracidade de uma notícia é ler a mesma informação em diferentes veículos de comunicação. Mas cuidado para não acessar sites sensacionalistas, bancados por políticos, que fingem ser veículos sérios de comunicação. Fuja de sites que utilizam muitos adjetivos e servem para atacar exageradamente os adversários dos políticos que o patrocinam.

Prefira acessar e conferir as informações em sites dos veículos tradicionais da Imprensa. A Imprensa só publica aquilo que sabe e pode comprovar. Não fica inventando fakes News com mentiras para disseminar o ódio entre lulistas, bolsonaristas, moristas, doristas e outras tontices e fanatismo acirrado que não levam a nada.

Ao verificar o fato em diferentes veículos de comunicação, você poderá ter uma visão mais ampla e formar sua própria opinião. O segredo é não ter preguiça de ir atrás das informações verdadeiras.

 Faça parte da solução

Caso você tenha detectado que as informações compartilhadas são falsas, avise a pessoa que as enviou a você para incentivá-la a verificar o que recebeu. Vale destacar que não se deve espalhar uma mensagem se você não souber a veracidade da informação, sob o risco de colocar seu nome e credibilidade em jogo.

Confira a informação em sites verificadores de notícias

Existem vários sites que ajudam a desvendar a maior parte dos boatos da internet. A maioria é feita por jornalistas, professores, cientistas e pesquisadores das universidades que pesquisam a origem das fake News e fazem análise minuciosa sobre os pontos contraditórios contidos na informação.

.

Como saber se é fake?
Primeira coisa a fazer é procurar outras fontes confiáveis antes de divulgar a informação recebida. Com uma simples pergunta no Google indagando, por exemplo, sobre a informação em menos de 3 segundos vão surgir milhares de sites que desmentirão ou confirmarão. Quem tiver preguiça de digitar pode, no celular, perguntar falando. Para isso basta apertar e segurar aquele “microfoninho”, que fica ao lado direto de quem digita.  
Existem também dezenas de sites e ferramentas para consultar mensagens duvidosas. A Folha do Povo relaciona algumas dessas ferramentas e sites abaixo:

*E-Farsas é um dos sites de checagem de notícias mais antigo que foi criado para evitar proliferação de boatos.

*Fato ou Fake faz apuração de notícias falsas com uma equipe composta por jornalistas que trabalham em veículos como Época, Extra, G1, CBN, Extra, TV Globo, GloboNews, jornais O Globo e Valor Econômico.

*Boatos.Org Site feito por jornalistas ávidos em descobrir a verdade. É mantido por anúncios.  https://www.boatos.org/ 

*Agência Lupa é composta por jornalistas que fazem a checagem de fatos, principalmente políticos. Está ligada ao grupo Folha de S.Paulo.https://piaui.folha.uol.com.br/lupa/

*Projeto Comprova reúne jornalistas de 24 diferentes veículos de comunicação brasileira para descobrir e investigar informações enganosas, inventadas e deliberadamente falsas.

*Fake Check é uma plataforma criada pela junção de pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP) e da Universidade Federal de São carlos (UFSCar) para avaliar se o texto é verdadeiro ou falso. http://nilc-fakenews.herokuapp.com/

*Saúde sem Fake News para combater informações sobre saúde, o Ministério da Saúde, disponibilizou um número de Whatasapp para receber informações virais, que serão apuradas e respondidas oficialmente se são verdade ou mentira.

*Fato ou Boato ferramenta lançada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que faz algumas recomendações: Fique atento à fonte da notícia. Leia o texto da matéria, não apenas o título. Preste atenção no endereço eletrônico da reportagem. Confirme a notícia em outros sites. http://www.justicaeleitoral.jus.br/fato-ou-boato/

*Comprove  A Câmara dos Deputados também criou um sistema  para as pessoas tirar dúvidas sobre conteúdos recebidos pelas sociais ou divulgadas em sites duvidosos da internet sobre as ações dos deputados. Também disponibiliza o whatsapp (61) 99660-2003 para atender essas demandas. www.camara.leg.br/comprove

*A Pública é uma agência fundada em 2011 por repórteres mulheres e hoje é composta por profissionais renomados do jornalismo investigativo brasileiro, que atuam ou atuaram nos principais veículos de comunicação do País. https://apublica.org/checagem

*Aos fatos é uma agência que apura notícias falsas e desvenda, por meio de tecnologia e inteligência artificial, fotos e vídeos montados. https://aosfatos.org

Facebook, Twitter, Youtube, WhatsApp, entre outros aplicativos, e sites de falsos veículos de comunicação são os veículos que os disseminadores de fakes news (notícias falsas)  utilizam para espalhar inverdades pela internet


0 comentários:

‹‹ Postagem mais recente Postagem mais antiga ››