sábado, 17 de novembro de 2018

Procon faz alerta para sites fraudulentos que tentam enganar consumidor

Consumidor deve ficar atento para não cair em armadilhas na hora das compras


A temporada de compras que acontece no final do ano é conhecida mundialmente pelas diversas promoções tentadoras lançadas pelos lojistas para atrair o consumidor, alguns descontos chegam a ultrapassar 50% do valor do produto. Este período também é conhecido pela quantidade de vítimas que caem em golpes de estelionatários que aproveitam o momento de grandes ofertas para entrar em ação, seja por trás de sites, páginas falsas em redes sociais, ligações telefônicas e até mesmo estabelecimentos com endereços físicos.

Para não perder o foco diante de tantas ofertas, o ideal é que o consumidor priorize suas reais necessidades. Antes de sair de casa faça uma lista do que de fato precisa comprar para que não comprometa seu orçamento com gastos extras e realize uma pesquisa de preços para ver qual loja oferece um desconto mais vantajoso.

“Orientamos que o consumidor acompanhe pelo site oficial da loja, antes da data das compras, os preços dos produtos desejados para identificar se realmente houve um bom desconto no valor da mercadoria e se vale a pena efetuar a compra durante a campanha”, comenta Prof. Arnaldo Vieira, diretor do Procon de Rio Preto.

Verificar a procedência dos sites no Procon e dar preferência para sites que tenham boas indicações pode ajudar o consumidor a não cair em golpes. Além disso, a Fundação Procon-SP disponibiliza em seu site uma lista com as empresas que mais receberam reclamações nos últimos meses. Não comprar nesses estabelecimentos pode evitar futuras dores de cabeça. Já nas redes sociais o cuidado deve ser redobrado, o consumidor não deve fornecer seus dados pessoais em links indicados por páginas onlines sem antes verificar no site oficial da loja se realmente existe a oferta anunciada.

“Também é importante que o consumidor questione a data de entrega do produto, pois alguns sites e lojas físicas já anunciaram um prazo maior neste ano para compras feitas na internet e quando o consumidor efetuar a compra, automaticamente estará de acordo com o prazo anunciado pelo estabelecimento, mesmo que seja de 45 dias, por exemplo”, afirma Vieira.
  
Caso o consumidor encontre qualquer prática ilegal do comércio na loja física ou pela internet, deve procurar o Procon e registrar a queixa.

Troca do produto 

Caso o consumidor compre o produto e queira trocar mesmo que não apresente defeito (por exemplo: não serviu, não agradou pela cor ou modelo, ou se arrependeu), é importante que tenha questionado o vendedor da loja antes da compra se há possibilidade da troca, já que esse ato é uma liberalidade do lojista, ou seja, o comerciante não é obrigado a trocar um produto que não apresente problemas. Mas se a loja se comprometer no momento da compra, deve constar por escrito, seja na etiqueta do produto, na nota fiscal ou em qualquer outro documento que comprove o que foi prometido e quais as condições para obter a troca, como por exemplo, o prazo para que ela ocorra.

Já a troca obrigatória, que acontece quando o produto apresenta algum vício ou defeito, deve ser realizada normalmente de acordo com o Código de Defesa do Consumidor dentro dos prazos previstos. Para bens não duráveis,  prazo de 30 dias e bens duráveis 90 dias. 

Compras pela internet

Se o consumidor optar pela compra via Internet, telefone ou catálogos, tem o direito de se arrepender no prazo de até 7 dias. Tanto poderá pedir o cancelamento, como a devolução dos valores eventualmente pagos.

Eletrodomésticos 
Se a escolha do produto for por eletrodomésticos ou eletrônicos, deve solicitar um teste do aparelho no próprio estabelecimento comercial. Assim, o consumidor evita ter de esperar o prazo de 90 dias pelo conserto se levar o produto sem testar e estiver o mesmo com defeito. 


0 comentários:

‹‹ Postagem mais recente Postagem mais antiga ››