sexta-feira, 31 de agosto de 2018

IRCT: 70 anos reabilitando e transformando vidas


Fachada do Centro de Reabilitação Visual do Instituto Riopretense dos Cegos Trabalhadores (IRCT)

O Instituto Riopretense dos Cegos Trabalhadores (IRCT) completa neste dia 1º de setembro 70 anos de fundação. Do começo de sua fundação pouco se sabe. Mas sabe-se que foram os maçons da cidade que tiveram a iniciativa e arcaram com as primeiras despesas e ajudaram, como ajudam até hoje na administração da instituição. Antes era uma casa que funcionava como uma espécie de albergue para abrigar os deficientes visuais abandonados pela família.

Romiro Pedro da Silva, que há 30 anos participa da diretoria e da administração da instituição, conta que a partir de 1969 a Maçonaria de fato e de direito passou a ser a gestora do local. “Durante os 36 primeiros anos o instituto funcionou como albergue e servia como ‘depósito’ para as famílias que não queriam mais cuidar dos seus deficientes”, lembra.

“Teve um fato que me marcou muito foi quando um caminhoneiro que sofreu acidente, preciso fazer um tratamento de seis meses no Hospital de Base e como era de fora nós o acolhemos no Instituto. Terminado o tratamento e quando os médicos diagnosticaram que ele não voltaria mais a enxergar a família, que até tinha condições, veio entregar ele para que o instituto tomasse conta. Foi aí que demos basta às internações, deixamos de servir como albergue para nos tornarmos uma escola, um centro de referência e reabilitação para os deficientes visuais”.
Em 1984 o instituto deixou o assistencialismo para dar lugar à formação para que o deficiente visual se torne independente e se habilite para a vida. Foi no ano de 2006, sob a presidência do médico Moacir Alves Borges, que o IRCT deu um salto enorme de gestão em sua história.

Funcionando antes, nas imediações do Hospital de Base (HB), num prédio antigo e bastante acanhado, construído ainda com cobertura de telhas tipo fibrocimento, Moacir junto com sua diretoria iniciaram tratativas junto à prefeitura para a conquista de uma nova área. E conseguiram, na época da primeira gestão do prefeito Edinho Araújo.

Com nova área conquistada, Moacir foi em busca de recursos. Conversou com deputados, empresários e muitos políticos até conseguir angariar recursos para a construção e conclusão da nova sede própria, localizada nas proximidades do Riopreto Shopping Center. Com a nova sede o IRCT se transformou em escola de ensino fundamental. O novo prédio é quatro vezes maior do que o antigo. E o antigo prédio, depois de reformado, é alugado e ainda serve de renda para a instituição.

Com 22 colaboradores o Centro de Reabilitação Visual é uma das cinco instituições brasileiras consideradas como referência nacional nesse setor. Atende mais de 250 deficientes, acolhendo pessoas com visão sub-normal ou totalmente cegas, com programas de reabilitação, com finalidade de criar condições para a sua integração na sociedade,  tornando-os cidadãos atuantes, participativos, produtivos e auto-suficientes.

Vários são os cursos e treinamentos que complementam as atividades da entidade, buscando desenvolver o potencial de cada pessoa assistida e incluí-la no mercado de trabalho. O instituto atende crianças, adolescentes, adultos e idosos, de zero a terceira idade.

O instituto é também referência em Prótese Ócular, por meio de convênio do Ministério da Saúde. O trabalho desenvolvido é de grande importância para os deficientes visuais, oferecendo apoio social, psicológico, terapêutico e pedagógico aos deficientes e familiares.
Entre os cursos oferecidos estão artesanato, informática adaptada, panificação, oficina de música, alfabetização em Braile, oficinas esportivas e mobilidade, além de outras atividades e conhecimentos para a vida.

Visita

Nesta sexta-feira (30) o IRCT recebeu a visita de maçons da Loja Aprendizes do III Milênio e membros do Lions Centro de São José do Rio Preto. Foram recepcionados com café da manhã, bolo de aniversário e música, tocada pelo grupo musical formado por deficientes visuais. Geraldo Paulino dos Santos disse que não conhecia o instituto e ficou bastante impressionado com o trabalho e a limpeza do local, pois nem imaginava como os deficientes visuais tinham toda essa assistência e produzisse trabalhos como a confecção de cardápios em braile, produzidos na própria gráfica do Instituto.

As mulheres integrantes do Lions Centro também ficaram encantadas com as atividades do local, principalmente com a loja show-room que vende, roupas, acessórios e bijuterias produzidas pelos deficientes visuais. “Quem não conhece deveria vir para conhecer”, afirmou Divina Santana Muniz Garcia. Terezinha Aparecida Sant’Ana Vessani disse que irá trazer seus netos para que conheçam a realidade e as dificuldades das crianças que não enxergam. “É muito emocionante a gente poder ver tudo isso que eles não podem ver”.

Divina Garcia acompanha aluna do IRTC em aula de informática
Loja Outlet do Centro de Convivência que comercializa produtos fabricados pelos cegos

Romiro Silva mostra placa de homenagem que recebeu da Câmara Municipal

Romiro Silva discursa no dia aniversário dos 70 anos do IRCT

Deficientes visuais participam de café da manhã no IRCT

Colaboradoras do IRCT durante café da manhã pelos 70 anos da instituição

Romiro discursa diante do bolo de aniversário dos 70 anos

Terezinha Vessani dança com aluna do instituto

Todos do conjunto são deficientes visuais, mas cantam e tocam muito bem

Pessoal da cozinha que prepara os os lanches e a comida do almoço todos os dias

Farto café da manhã presenteou os visitantes

Romiro Silva conversa com Antonio Carlos Vessani, durante a visita da comitiva

Romiro mostra a Biblia em Braile para as integrantes do Lions Centro

Menino aprende mobilidade com professora do IRCT

Uma das salas com recursos em braile

Soroban calculadora para pessoas com deficiência visual

Aluno escreve na máquina em braile



Máquina em braile

Visitantes acompanham alunos aprendendo a escrita em braile

Aluna de Onda Verde está todos os dias no IRCT

Professora ensina criança com deficiência visual

Divina Garcia e Geraldo Paulino acompanham aula que professora ministra para criança

Divina acompanha aula de informática 

Todo prédio é adaptado para facilitar o acesso dos deficientes visuais

Integrantes do Clube das Acácias da Aprendizes do III Milênio, Divina, Vilma e Terezinha

Funcionárias fazem o cadastramento das notas fiscais deixadas em vários pontos da cidade

Animada roda de samba firmada pelos deficientes é acompanhada pelos visitantes

Trabalho de artesanato feito com papel jornal pelos deficientes visuais


Academia para exercícios na sede do IRCT

Fachada do prédio do Centro de Reabilitação Visual

 
Placa que marcou o lançamento da pedra fundamental do prédio do Instituto dos Cegos
Pessoal do Lions e da Maçonaria visitam o IRCT

Médico oftalmologista durante consulta no IRCT

Loja Outlok do Centro de Reabilitação Visual

Boutique do Centro de Reabilitação Visual

Brechó do IRCT

Mulheres visualizam as roupas na loja Outlok

Aula de música no IRCT

Professor ensina canto para aluna do IRCT

Na biblioteca do IRCT existem mais de 1.500 títulos de livros em braile

0 comentários:

‹‹ Postagem mais recente Postagem mais antiga ››