terça-feira, 19 de junho de 2018

Bady se transforma na cidade das indústrias dos recicláveis

Reinaldo Teixeira em sua empresa de reciclagem de materiais plásticos


Nelson Gonçalves
O município de Bady Bassit já foi conhecida como “a cidade das boleiras” porque quase todas as donas de casa produziam bolos para vender para as festas. Também ficou famosa em todo o Brasil por causa da venda de petiscos suínos.  Mas de uns tempos para cá se tornou, sem querer, num ponto de referência na região para a reciclagem de papéis, plásticos e óleo usado de cozinha.  Só para esses dois últimos segmentos existem quatro indústrias de transformação, que além de ajudar na preservação do meio ambiente ainda geram renda para instituições e garantem empregos para a sustentação para várias dezenas de famílias.

Em Bady Bassitt funciona, há mais de 20 anos, a JR Óleos, empresa que processa cerca de 30 toneladas de óleo usado mensalmente. O diretor da empresa Acácio Câmara informa  que a transformação do óleo de cozinha usado em energia renovável começa pela filtragem, que é feita com o aquecimento do produto numa temperatura de mais de 80 graus para retirada de todo o resíduo deixado pelas frituras.

Depois é removida toda a água misturada ao óleo, que passará ainda por uma purificação química para filtrar os últimos resíduos. O produto é então encaminhado para as usinas de biodiesel onde serão adicionados álcool e substâncias catalisadoras para ingresso num reator com temperaturas especificas para se transformar em biocombustíveis.

Plásticos
Duas empresas atuam na reciclagem de plásticos. Uma delas, de propriedade do presidente da Associação Comercial e Empresarial de Bady Bassitt (ACEBB), engenheiro Reinaldo Teixeira Domingues Junior, processa mensalmente cerca de 50 toneladas de aparas de plásticos usados nas indústrias de sacolas e embalagens como os filmes de PVC utilizados para o congelamento de alimentos no freezer. Outra empresa recicla somente caixas plásticas, aquelas utilizadas para o transporte e armazenamentos de produtos hortifrutigranjeiros e garrafas de bebidas. 

O gerente da empresa que faz a reciclagem das caixas plásticas, Edigar Francisco  da Silva, informa que chegam a fazer o processamento de 3 toneladas do produto por dia. As caixas são todas trituradas, passam por um processo de extrusão e resfriamento e depois em forma de plástico granulado são ensacadas para voltar às fábricas para serem transformadas novamente em caixas.

Reinaldo depois de atuar por vários anos como engenheiro civil abandonou a carreira para se especializar no ramo de reciclagem de plásticos. Ele informa que o plástico pode ser reciclado diversas vezes, o que faz dele um material com  grande potencial de aproveitamento. 

Segundo dados da Associação Brasileira da Indústria de Plástico, no Brasil o índice de reciclagem mecânica dos plásticos é de aproximadamente de 205, enquanto nos Estados Unidos e países europeus é de mais de 40%. “Há portanto um grande horizonte a ser explorado”.

A base da reciclagem é o processo de recuperação de produtos ao término de seu ciclo de vida útil e, quando devidamente descartados, são reprocessados para gerar novos produtos. Parece simples, não é? Há quase uma década no mercado, Reinaldo é apaixonado pelo que faz e conhece cada detalhe de produção feito a partir do descarte, dos retalhos de plásticos que sobram na manufaturação de produtos nas indústrias. “Tudo aquilo que iria para o lixo nas indústrias a gente reaproveita, tritura tudo para que volte novamente a se transformar em novos produtos para o consumidor final”.

A reciclagem começa com a classificação dos diversos tipos de plásticos que, em seguida, são moídos, ficando com aspecto de pequenos flocos que são aquecidos até a fusão, iniciando a transformação. No entanto, o aquecimento por si só não é suficiente para gerar um material homogêneo, por isso os plásticos devem ser de composição idêntica ou semelhante para misturarem-se de forma eficiente. 

Quando diferentes tipos de plásticos são fundidos em conjunto, eles tendem à separação, como óleo e água, o que pode causar fraqueza estrutural no material resultante. Na empresa do Reginaldo, que já chegou a empregar 12 funcionários e hoje, mesmo com equipe reduzida, funciona, sem parar, em turnos até às 2 horas da madrugada. Lá eles fazem a granulação, também conhecida como peletização, dos recicláveis para que o plástico volte para a indústria e se transformem em produtos para o consumidor final.

A aposta na reciclagem do plástico não se tornou apenas algo irreversível. É, também, uma garantia de boas oportunidades. “Em termos de vantagens, são várias e significativas, tanto para a indústria, quanto, e principalmente, para a sociedade”, finaliza Reinaldo.


Empresa que faz reciclagem de caixas plásticas de embalagem

Caixas plásticas de embalagem sendo recicladas 

Plástico granulado depois de passar pelo processo de reciclagem

Reginaldo defronte aos sacos plásticos que chegam na empresa


0 comentários:

‹‹ Postagem mais recente Postagem mais antiga ››